Pular para o conteúdo principal

Postagens

CORPO PARA QUE TE QUERO ? USOS, ABUSOS E DESUSOS. ENSAIOS SOBRE O CORPO NA CENA CONTEMPORÂNEA

CORPO PARA QUE TE QUERO? USOS, ABUSOS E DESUSOS. ENSAIOS SOBRE O CORPO NA CENA CONTEMPORÂNEA Book (PDF Available) · January 2012with73 Reads DOI: 10.13140/2.1.4730.7844
Edition: 1a, Publisher: puc/appris, Editor: Vilhena & Novaes, ISBN: 9788580060690

CORPO PARA QUE TE QUERO? USOS,ABUSOS E DESUSOS.
ENSAIOS SOBRE O CORPO NA CENA CONTEMPORÂNEA
    JUNIA DE VILHENA
JOANA DE VILHENA NOVAES
ORGANIZADORAS

A PRESENTAÇÃO
Não há dúvida que o corpo entrou  em cena. Corpo-máquina para o trabalho e corpo que se rende às modelizações do que é ditado como belo e saudável; corpo que se quer livre e procura afirmar novos direitos e sexualidades; corpo-potência que protesta nas  ruas  contra  um  mal-estar  inaceitável;  corpo-captura  que  sofre  de  indiferença, negligência  e  loucura.  Dilacerado  nas  “doenças  da  beleza”  e  na  violência  cotidiana; sofrido pela fome de comida nos “mundos tão desiguais”, sofrido pela fome de afeto, em um mundo tão indiferente, o corpo é fonte de angústia, de prazer, de consu…
Postagens recentes

BONECOS SEM INGENUIDADE - ESPETÁCULO DE BONECOS COM TEMÁTICA ADULTA

Bonecos sem ingenuidade  Eduardo Félix fala da difícil missão de quebrar ideias cristalizadas de um teatro que não tem nada de infantil
PUBLICADO EM 27/12/15 - 04h00
POR JOYCE ATHIÊ

Atrasado e ainda meio desnorteado, Eduardo Félix vai respondendo às perguntas sobre sua carreira, seus propósitos com o teatro de bonecos e as dificuldades a se enfrentar no mercado. Há 15 anos se dedicando à construção e manipulação de marionetes, ele se prepara para estrear o próximo espetáculo, ainda sem nome e, agora, também sem texto. “Acabei de ser assaltado há poucos dias e levaram meu computador com a adaptação do próximo trabalho que estreia em março. Vou ter que escrever tudo de novo”, conta com o humor de quem ainda não acreditava no ocorrido. Apesar de todo o retrabalho, a proposta do espetáculo já está desenhada na cabeça de Eduardo e diz muito dos propósitos do grupo que fundou: o Pigmalião – Escultura que Mexe. A história parte da junção de dois textos. O primeiro é “Alguém”, da bonequeira Conce…